O círculo da Leitaria Costa: itinerários populares da cultura de rua na transição do século XIX para o século XX

Palabras clave: Cultura urbana de massas, Cidades e meios sociais, Cultura e objectos impressos, Instrução, Leitura e apropriação populares

Resumen

A viragem do século XIX para o XX em Portugal, num período entre 1875 e 1925, marca o surgimento de uma cultura de massas que pode denominar-se de civilização do impresso, num contexto de crescimento e modernização dos meios urbanos. Nestes, as mudanças, novidades e diversidades económicas e sociais, ao lado dos avanços tecnológicos, potenciaram o crescimento e a importância dos objetos impressos na circulação da cultura, e em seu torno pode identificar-se a complexidade do processo de criação de condições de acesso à leitura, modos diferenciados de apropriação da cultura, tanto quanto a identificação de meios sociais emergentes em que tais condições se operaram.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Luís Augusto COSTA DIAS, Universidade Nova de Lisboa

Doutorado em História da Cultura pela Universidade de Coimbra. Investigador integrado do Instituto de História Contemporânea (IHC, FCSH - NOVA)

Citas

ALEGRIA, Maria Fernanda. (1990). A organização dos transportes em Portugal (1850-1910): As vias e o tráfego. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.

ALMEIDA, Fialho de. (1890). As fotografias. In Pasquinadas: Jornal dum vagabundo. Porto: Civilização.

ALMEIDA, Fialho de. (1923). Figuras de destaque: Livro póstumo. Lisboa: Livraria Clássica.

ALMEIDA, Mario de. (1918). A Cidade Formiga. Lisboa: Empreza Luzitana.

ANSELMO, Artur. (1997). Estudos de história do livro. Lisboa: Guimarães Editores.

Anuário estatístico (1877-1931). Lisboa: Imprensa Nacional.

BARRETO, José. (1981). Os tipógrafos e o despontar da contratação coletiva em Portugal (I). Análise Social, XVII-66, 253-291.

CABRAL, Manuel Villaverde. (1988). Portugal na Alvorada do Século XX (2e ed.). Lisboa: Presença.

CHARTIER, Roger. (1989). Le monde comme représentation. Annales. Économies, sociétés, civilisations, 44-6, 1505-1520.

Diário Ilustrado. (17/09/1910). Lisboa: Impr. de Souza Neves.

DIAS, Luís Augusto Costa. (2007). O papel do impresso. A imprensa e a transformação do espaço público em Portugal (último quartel do século XIX - primeiro quartel do século XX). Estudos do Século XX, 7, 307-317.

DIAS, Luís Augusto Costa. (2018). Personagens inventadas: jornalismo e ficção na I Grande Guerra mediática (1914-1918). Mediapolis: revista de comunicação, jornalismo e espaço público, 6, 41-59.

DOMINGOS, Manuela. (1985). Estudos de sociologia da cultura: Livros e leitores do século XIX. Lisboa: Centro de Estudos de História e Cultura Portuguesa.

FERNANDES, Rogério. [1971]. João de Barros, educador republicano. Lisboa: Horizonte.

GAMA, Eurico. (01/01/1858). Achegas para a história do caminho de ferro de leste. Gazeta dos Caminhos de Ferro, LXX, 25-26.

GIL, Manuel Figueiredo dos Santos. (1909). Comércio de livros: Dissertação bibliológica. Coimbra: Imprensa da Universidade.

GOMES, Joaquim Ferreira. (1996). Estudos para a história da educação no século XIX. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

GOUVEIA, Cristina & DIAS, Luís Augusto Costa. (2017). A desenhar e a documentar graficamente. In GOUVEIA, Cristina (Coord.), Roque Gameiro na imprensa (pp. 19-42). Amadora: Casa Roque Gameiro.

KALIFA, Dominique. (2001). La culture de masse en France. 1 - 1860-1930. Paris: La Découverte.

LEITE, Joaquim da Costa. (2005). População e crescimento económico. In LAINS, Pedro & SILVA, Álvaro Ferreira da (Orgs.). História económica de Portugal, 1700-2000, vol. II (pp. 43-77). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

MAGALHÃES, Justino. (2014). Do Portugal das luzes ao Portugal democrático. Atlas-repertório dos municípios na educação. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

MARQUES, Henrique. (1935). Memórias de um editor. In memoriam de Henrique Marques. Famalicão: Tip. Minerva.

MARTINS, Conceição Andrade. (1997). Trabalho e condições de vida em Portugal (1850-1913). Análise Social, XXXII, 142, 483-535.

Mata, Maria Eugénia. (1999). Indústria e emprego em Lisboa na segunda metade do século XIX. Ler História, 37, 127-144.

MELO, Daniel. (2010). A leitura pública na I república. Lisboa: Húmus.

NOGUEIRA, Carlos. (2004). O essencial sobre a literatura de cordel. Lisboa: IN-CM.

O País. (28/07/1910). Lisboa: [s.n.].

Os Serões: revista mensual ilustrada. (09/1910). Lisboa: [s.n.].

PINTASSILGO, Joaquim. (2011). As Universidades Populares nas primeiras décadas do século XX. O exemplo da Academia de Estudos Livres. In CARVALHO, Marta Maria Chagas de e PINTASSILGO, Joaquim (Orgs.). Modelos culturais, saberes pedagógicos, instituições educacionais: Portugal e Brasil, histórias conectadas (pp. 1-33). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

PEIXINHO, Ana Teresa & DIAS, Luís Augusto Costa. (2015). A cidade e as suas personagens em fim de século: quadro de emergência de uma cultura urbana de massas em Portugal, Mediapolis, 1, 91-105.

PEREIRA, Esteves & RODRIGUES, Guilherme. (1906). Portugal: Dicionário histórico, corográfico, biográfico, bibliográfico, numismático e artístico. Vol. II. Lisboa: João Romano Torres.

QUEIRÓS, Eça de. (2009). Cartas Públicas. Lisboa: IN-CM.

ROLLO, Maria Fernanda; PIRES, Ana Paula; QUEIRÓS, Maria Inês & TAVARES, João (2009). História das telecomunicações em Portugal: da Direcção-Geral dos Telégrafos do Reino à Portugal Telecom. Lisboa: Fundação Portugal Telecom / Tinta da China.

SILVA, João. (2016). Entertaining Lisbon: Music, theater and modern life in the late 19th century. Nova Iorque: Oxford University Press.

VASCONCELOS, António Augusto Teixeira de. (1870). Palavras introdutórias. In PINHEIRO, Rafael Bordalo. O Calcanhar de Aquiles. Album de caricaturas (pp. 6-7). Lisboa: Imprensa de Joaquim Germano da Sousa Neves.

VIANA, Mário. (1990). David Corazzi, um editor português do século XIX, Revista da Biblioteca Nacional, 2, 5 (2), 109-132.

Publicado
2019-05-30